COMUNIDADES TERAPÊUTICAS:
HISTÓRICO E REGULAMENTAÇÕES

aberta.senad.gov.br

APRESENTAÇÃO


Este módulo apresenta um panorama histórico sobre o surgimento das comunidades terapêuticas, desde suas origens, na segunda década do século XX até os tempos atuais. Descreve, utilizando embasamentos teóricos, o método e os objetivos  que regem o acolhimento de pessoas com problemas relacionados ao uso de substâncias psicoativas em Comunidades Terapêuticas.

Todo o conteúdo deste trabalho, exceto quando houver ressalva, é publicado sob a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://aberta.senad.gov.br/.

AUTORIA


Laura Fracasso

lattes.cnpq.br/0646741713559336

Graduada em Psicologia pela Universidade Metodista de São Paulo. Mestre e especialista em Dependência Química pela Universidade Federal de São Paulo.  Psicóloga clínica. Docente na Universidade Federal de São Paulo, na Universidade de São Paulo e na Federação Brasileira de Comunidades Terapêuticas.

 COMUNIDADES TERAPÊUTICAS: HISTÓRICO E REGULAMENTAÇÕES

 

SITUAÇÃO PROBLEMATIZADORA



George de Leon, especialista internacionalmente reconhecido no tratamento das toxicodependências, destaca o conceito de comunidade como método no acolhimento realizado aos sujeitos com problemas relacionados ao uso abusivo de drogas nas Comunidades Terapêuticas (CTs). Segundo De Leon (2003, p. 373), “[...] a premissa fundamental dessa abordagem é que os indivíduos mudarão se participarem plenamente de todos os papéis e atividades em comunidade”. Em outras palavras, isso significa incentivar o sujeito a usar a Comunidade Terapêutica para gerar aprendizados e mudanças.

Diante disso, como você compreende esse princípio do autor na dimensão do cuidado com esses usuários? Como podemos entender melhor a constituição e a necessidade das Comunidades Terapêuticas?